Personalização de HIS no Brasil

The use of 

Personalização de Habitação de Interesse Social no Brasil

A partir da segunda metade do século XX, o problema habitacional no Brasil, estimado em 6.273 milhões de moradias, tem se intensificado com a explosão territorial das cidades e o agravamento das condições urbanas. A estratégia modernista para responder à demanda habitacional foi a padronização das tipologias, definida para o homem “ideal” ou “médio” corbusiano, determinando assim, a forma de projetar ao longo do século passado até os dias atuais.

Mais recentemente, os avanços nas tecnologias CAD e CAM e as possibilidades de automação do processo de projeto com os meios digitais promoveram uma conexão direta entre método de projeto e construção. Como conseqüência, surge a possibilidade de gerar diferentes soluções personalizadas utilizando a produção em série, prática que originou o conceito denominado “mass customization” (personalização em massa) e um novo paradigma pós-Fordismo para a economia do século XXI. Assim, torna-se possível pensar em métodos que permitem a personalização em massa de bens consumíveis – incluindo habitações –, constituindo componentes individuais personalizados em resposta a diferentes condições locais criando soluções ótimas dentro das variantes necessárias para cada projeto.

Frente à dissolução do “modelo” ideal de habitação moderno e ao significativo déficit habitacional no Brasil, este trabalho objetiva investigar as possibilidades de aplicação da gramática da forma (shape grammar), para o desenvolvimento de um método de projeto, com utilização de regras paramétricas, para a geração de implantação em conjuntos de habitação de interesse social (HIS), com o intuito de contribuir no desenvolvimento de áreas externas mais diversificadas, criando identidade e apropriação do espaço pelos seus moradores.